FÓRUM SEPSE 2018 - Adulto

FÓRUM SEPSE 2018 - Adulto

  • 22 Horas de duração
  • 81 Aulas
  • 7 Módulos
  • 2 anos de suporte
  • Certificado de conclusão
Parcele em 10x R$ 45,00 (ou R$ 450,00 à vista)
Comprar Agora Dê um passo adiante em sua carreira!
Medicine Cursos
Nenhuma descrição cadastrada.
2 anos Sem tempo para fazer o curso agora? Não tem problema.
Você poderá participar desse curso até 2 anos após a matrícula.

SINOPSE DAS AULAS

PARTE 1
Abertura - Luciano Azevedo, Derek Angus e Mervyn Singer
Palestra plenária: A sepse é realmente uma coisa?
Palestrante: Derek Angus (EUA) Presidente: Luciano Azevedo (SP)

Sessão Temática
Encontrando sépsis: um problema não resolvido
Moderadores: Simon
Finfer (AUS) / Reinaldo Salomão (SP)

Tem a epidemiologia de sepse mudou?
Kathy Rowan (Reino Unido)

Onde estamos na América Latina?
Flávia Machado (SP)

Sepse 3 ajuda ou dói?
Christopher Seymour (EUA)

Detectando sepse ao lado da cama
Luciano Azevedo (SP)

Discussão

Sessão temática - Fluidos versus pressores em 2020! - Como tratar
Moderadores: Sandro Oliveira (RJ) / Fernando Gutiérrez (RJ)

Não importa o que, por favor Comece com um bolus fluido padrão!
Antonio Paulo Nassar (SP)
Duração: 14 minutos

Suficiente com o fluido já, dê mais vasopressores e mais cedo!
Ludhmila Hajjar (SP)
Duração: 18 minutos

Não é 'se' fluido, é 'qual' fluido!
Thiago Corrêa (SP)
Duração: 12 minutos

Por que usar catecolaminas? E quanto a outros vasopressores?
Derek Angus (EUA)
Duração: 19 minutos

Discussão
Duração: 10 minutos

PARTE 2
Simpósio Satélite Thermo Fischer - O papel da procalcitonina na administração de antibióticos: reflexões após o ProACT
Derek Angus
Duração: 22 minutos

Simpósio Satélite Thermo Fischer - Prática Clínica: PCT para orientar a terapia antimicrobiana em UTI (Sepse e Choque Séptico) -
Ludhmila Hajjar
Duração: 19 minutos

Discussão
Duração: 9 minutos

Sessão temática - Fluidos versus pressors em 2020 continuaram…! - Como monitorar
Moderadores: Fabian Jaimes-Barragan (COL) / Ludhila Hajjar (SP)

A ressuscitação está funcionando? Apenas examine o paciente!
Glenn Hernandéz (CHI)
Duração: 19 minutos

A ressuscitação está funcionando? É para isso que é o eco!
Leandro Taniguchi (SP)
Duração: 16 minutos

Não, não está funcionando ... Como resgatar?
Flávio Freitas (SP)
Duração: 17 minutos

Discussão
Duração: 7 minutos

Mesa Redonda - Gerenciando um caso difícil
Apresentador: Leandro Taniguchi (SP)
Participantes: Glenn Hernadéz (CHI), John Marshal (CAN), Simon Finfer (AUS),
Alessandra Thompson (RJ), Ludhila Hajjar (SP)
Discussão da mesa
Duração: 54 minutos


Palestra plenária - Estamos fartos de julgamentos "negativos". O que podemos fazer de diferente?
Palestrante: Kathy Rowan (UK)
Duração: 26 minutos

Mesa Redonda - Nós realmente precisamos das diretrizes do Surviving Sepsis? Moderador: Derek Angus (EUA)
Participantes: Flavia Machado (SP), Fernando Zampieri (SP), Mervyn Singer (Reino Unido), Joost Wiersinga (NET)
Discussão da mesa
Duração: 54 minutos


PARTE 3

SALA 01 – DIA 2
Palestra plenária: Sepse: uma perspectiva global
Palestrante: Simon Finfer (AUS)
Duração: 30 minutos

Sessão temática - Pós-quitação: um novo horizonte para nossos pacientes
Moderadores: Regis Rosa (RS) / Antonio Bafi (SP)

O sobrevivente da sepse na América Latina: um desafio não atendido?
Cassiano Teixeira (RS)
Duração: 14 minutos

Fatores de risco para sepse em longo prazo: causa ou associação?
Luciano Azevedo (SP)
Duração: 17 minutos

Existem intervenções dentro e depois da UTI para melhorar os resultados a longo prazo?
Kathy Rowan (Reino Unido)
Duração: 19 minutos

Discussão
Duração: 16 minutos

06 – INTELLIGENT SEPSIS MANAGEMENT SYSTEM IMPROVES SURVIVAL OUTCOME IN SEPSIS PATIENTES DEFINED BY SEPSIS-3
Juhyun Song
Duração: 07 minutos

07 – PREVALENCE OF SEPSIS RISK BY QSOFA SCORE IN PREHOSPITAL SETTING
Priscila Schmidt Lora
Duração: 07 minutos


08 – IMPACT ON DELAYED ADMISSION OF SEPTIC PATIENTS FROM EMERGENCY DEPARTMENT TO ICU IN BRAZILIAN PUBLIC HOSPITALS
Rodolfo Espinoza
Duração: 07 minutos

09 – INCIDENCE, ETIOLOGY AND MORTALITY ASSOCIATED WITH SEPSIS-2 VERSUS SEPSIS-3 IN INTENSIVE CARE PATIENTS IN RIO DE JANEIRO: SINGLE CENTER COHORT STUDY
Carolina e Souza Bandeira
Duração: 08 minutos

10 – MORTALITY AND LENGTH OF HOSPITAL STAY (LOS) BEFORE AND AFTER IMPLEMENTATION OF A SEPSIS RISK ASSESSMENT PLATFORM: PRELIMINARY RESULTS
Hugo Morales
Duração: 10 minutos

11 – YOUNG INVESTIGATOR AWARD
Duração: 08 minutos

12 – SEPSIS TRIALS: WHY DO WE KEEP MAKING THE SAME MISTAKES?
John C. Marshall
Duração: 14 minutos

13 – SEPSIS TRIALS DESIGN: TOWARDS MORE PRECISE TREATMENT ESTIMATES
Derek Angus
Duração: 15 minutos

14 – THE IDEAL ENDPOINT FOR MY CLINICAL TRIAL IS…
Fernando Zampieri
Duração: 13 minutos

PARTE 4
Problemas de sepse no Brasil ... Qual é o papel da ceftazidima-
Avibactam no tratamento de infecções por KPC? –
Lorena Felhberg / Simone Nouer
Duração: 58 minutos

Sessão temática - Avanços na gestão de antibióticos
Moderadores: Juan Verdeal (RJ) / Flávia Machado (SP)

O papel da mordomia e do controle de infecção hospitalar
Thiago Lisboa (RS)
Duração: 15 minutos

Novas drogas, novas armas!
Marcelo Maia (DF)
Duração: 14 minutos

Novos antibióticos para organismos multirresistentes
Joost Wersinga (NET)
Duração: 16 minutos

Discussão
Duração: 8 minutos

Premiação
Durasção: 02 minutos

Palestra Plenária – Pensando e olhando para fora da caixa
Mervyn Singer
26 - minutos

GRAND FINALLE - O que me irrita – Gincana
Moderadores: Flávia Machado (SP) / Luciano Azevedo (SP)
Participantes: Derek Angus (EUA), Tom Van Der Poll (NET), Adrienne Randolph (EUA), Kathy Rowan (Reino Unido), Joost Wiersinga (NET), Thierry Calandra (SWI), John Marshall (CAN), Kenneth Baillie (SCO)
minutos

Does treatment of aki make a difference to patient outcome? Yes, aki is really important
José Mauro Vieira
14 - minutos

Aki and mortality an epiphenomenon?
Mervyn Singer
14 – minutos

DISCUSSÃO
16 - minutos


PARTE 5
PRO-CON descontaminação seletiva: a estratégia esquecida
Moderadores: Moyzes Damasceno (RJ) / Thierry Calandra (NET)

A evidência está lá: por que as pessoas não usam?
Simon Finfer (AUS)
Duração: 14 minutos

Isso é fácil: a evidência não é suficiente
Alexandre Biasi (SP)
Duração: 14 minutos

Discussão
Duração: 12 minutos

PRO-CON - Dê a todos os antibióticos AGORA !!!!
Moderadores: Moyzes Damasceno (RJ) / Thierry Calandra (NET)

Sim, precisamos matar os erros o mais rápido possível
Flávia Machado (SP)
Duração: 17 minutos

Não não não
Mervyn Singer (Reino Unido)
Duração: 16 minutos

Discussão
Duração: 11 minutos

Simpósio Satélite Beckman - Early Sepsis Indicador: E se você pudesse saber mais cedo?
Paul R. Morris
Duração: 19 minutos

Sessão temática - Resistência antimicrobiana: os insetos intocáveis
Moderadores William Viana (RJ) / Denise Medeiros (RJ)

Nós vamos derrotá-los com melhores práticas de cabeceira
Paula Tuma (SP)
Duração: 16 minutos

Nós não vamos derrotá-los
Joost Wiersinga (NET)
Duração: 14 minutos

Discussão
Duração: 8 minutos

Mesa redonda - Controvérsias: pergunte o que quiser!
Moderador: Flávia Machado (SP)
Participantes: Mervyn Singer (Reino Unido), Derek Angus (EUA), Fabián Jaimes-Barragan (COL), Elisa Estenssoro (ARG)
Discussão da Mesa
Duração: 62 minutos

Palestra plenária - O governo deve nos dizer como tratar a sepse?
Palestrante: Christopher Seymour (EUA)
Duração: 26 minutos

Sessão Temática - Avanços no cuidado dos demais sistemas orgânicos do paciente séptico ...
Moderadores: Elisa Estenssoro (ARG) / Christopher Seymour (EUA)

Pulmão
Alexandre Biasi (SP)
Duração: 17 minutos

O intestino e nutrição
Ricardo Rosenfeld (RJ)
Duração: 12 minutos

O cérebro
Pedro Kurtz (RJ)
Duração: 15 minutos

Discussão
Duração: 5 minutos


PARTE 6
Palestra plenária
Avança em nossa compreensão da resposta do hospedeiro na sepse
Palestrante: Tom Van Der Poll (NET)
Duração: 26 minutos

Não há mais médicos, apenas os computadores?
Moderadores: Elisa Estenssoro (ARG) / Carlos Loja (RJ)

O computador acha os pacientes mais rápidos!
Marcio Soares (RJ)
Duração: 13 minutos

Os médicos são essenciais!
John Marshall (CAN)
Duração: 11 minutos

Inteligência artificial para tratamento: pare de tratar todos da mesma forma
Derek C. Angus (EUA)
Duração: 18 minutos

Discussão
Duração: 22 minutos

Sessão temática - Não os negligencie: doenças infecciosas perigosas
Moderadores: Joost Wiersinga (NET) / Tom Van Der Poll (NET)

Arboviroses
Fernando Bozza (RJ)
Duração: 16 minutos

Febre amarela
Denise Medeiros (RJ)
Duração: 20 minutos

HIV e sepse
Andre Japiassu (RJ)
Duração: 12 minutos

Discussão
Duração: 13 minutos

Simpósio por Satélite - Benefícios da execução da Procalcitonina para detectar Sepse / Como o AQT90 pode melhorar o fluxo de trabalho em laboratório ou POCT
Jose Luis Lopes Pumarega
Duração: 34 minutos

Quem deve receber esteróides para choque séptico?
Moderadores: Flavio Nacul (RJ) Alessandra Thompson (RJ)

Qualquer pessoa que atenda aos critérios de entrada ADRENAL
Simon Finfer (AUS)
Duração: 16 minutos

Somente aqueles que atendem aos critérios de entrada do APROACCHSS
John Marshall (CAN)
Duração: 14 minutos

Discussão
Duração: 7 minutos

PARTE 9
Sessão Temática: Como podemos melhorar nossos resultados?
Moderadores: Josiane Ferreira (SP) / Juliana Lubarino (SP)

Otimização da terapia antimicrobiana
Lívia Maria Barbosa (SP)
Duração: 13 minutos

Prevenindo o PAV: o odontologista pode ajudar?
Ricardo Fisher (RJ)
Duração: 13 minutos

A arte da descarga de segurança
Regis Rosa (RS)
Duração: 16 minutos

Como podemos coordenar os esforços da equipe?
Renata Pietro (SP)
Duração: 15 minutos

Discussão
Duração: 10 minutos

Sessão temática - Células no campo de batalha - os caminhos da morte e sobrevivência
Moderadores: Fernando Bozza (RJ) / Patrícia Rocco (RJ)

Metabolismo celular na sepse
Tom van der Poll (NET)
Duração: 14 minutos

Hipotermia: amigo ou inimigo?
Francisco Soriano (SP)
Duração: 12 minutos

Microglia e encefalopatia induzida pela sepse
Felipe dal Pizzol (SC)
Duração: 16 minutos

Discussão
Duração: 13 minutos

Sessão Temática - Tópicos quentes na patogênese da sepse
Moderadores: Patrícia Bozza (RJ) / Pedro Leme (RJ)

Proteômica do plasma em pneumonia severa: o que isso nos diz?
Reinaldo Salomão (SP)
Duração: 16 minutos


Transcriptômica translacional na sepse
Tom van der Poll (NET)
Duração: 14 minutos


Sessão Temática - Triagem: um eterno desafio
Moderadores: Juana Jardim (RJ) / Juliana Lubarino (SP)

Classificação de risco x triagem de sepse
Josiane Ferreira (SP)
Duração: 13 minutos

MEWS: as melhores estratégias para as enfermarias?
Antonio Bafi (SP)
Duração: 24 minutos

Triagem da sepse pediátrica: SIRS ou disfunção orgânica?
Aline Bossa (SP)
Duração: 16 minutos

Discussão
Duração: 5 minutos


PARTE 10
Sessão temática - Pesquisa translacional em sepse: metodologia
Moderadores: Cláudia Benjamin (RJ) / Fernando Cunha (SP)

Modelos de ratos para sepse: em direção a um novo consenso
Joost Wiersinga (NET)
Duração: 14 minutos

Discussão
Duração: 3 minutos

Sessão temática A equipe multidisciplinar - por que é tão importante?
Moderadores: Lívia Maria Barbosa (SP) / Juliana Lubarino (SP)

Alimentação precoce: por que e como?
Cristianne D'Almeida (RJ)
Duração: 18 minutos

Psicoterapia: para pacientes e familiares
Fernanda Saboya (RJ)
Duração: 17 minutos

Reabilitação precoce: para todos?
Jefferson Braga (RJ)
Duração: 16 minutos

Discussão
Duração: 7 minutos

Sessão temática - Alterações do hospedeiro induzidas por doença e terapia
Moderadores: Andre Japiassu (RJ) / Tom Van Der Poll (NET)

Separando adaptativos de processos desadaptativos na sepse
Kenneth Baillie (SCO)
Duração: 15 minutos

lesão pulmonar induzida por ventilador: menos é provavelmente melhor
Patrícia Rocco (RJ)
Duração: 19 minutos

Imunossupressão após sepse.
Fernando de Queiroz Cunha (SP)
Duração: 17 minutos


O yin e o yang da inibição da tirosina quinase durante a sepse
Hugo Caire de Castro - Faria-Neto (RJ)
Duração: 15 minutos

Discussão
Duração: 20 minutos


Medicine Cursos
""


Certificado de horas de atualização*. 

* Não válido como participação do evento, bem como a pontuação do CNA

* Certificado concedido a mais de 70% de audiência das aulas.

Conteúdo Programático

  • 1. NEW SEPSIS DEFINITIONS: HAS ANYTHING REALLY CHANGED?
  • 2. WHY ADVOCACY IS IMPORTANT IN SEPSIS POLITICAL AGENDA
  • 3. WHAT WOULD BE THE NATIONAL ACTION PLAN OF OUR DREAMS?
  • 4. THE IMPORTANCE OF LONG-TERM OUTCOMES FOR HEALTH POLICY
  • 5. DISCUSSÃO
  • 6. VENOARTERIAL PCO2 GAP AND MICROCIRCULATION – GUIDED THERAPY
  • 7. ANY ROLE FOR EARLY GOAL DIRECTED THERAPY
  • 8. LACTATE: IS IT ONLY A PREDICTOR OF DEATH?
  • 9. SHOULD WE ABANDON SCVO2?
  • 10. DISCUSSÃO
  • 11. BIOMARKERS AS CORE ELEMENTS OF HOSPITAL ANTIBIOTIC STEWARDSHIP PROGRAMS
  • 1. BUSY BRAZILIAN ER: WHY ARE WE ALWAYS UNDER PRESSURE? THE SPREAD ED RESULTS
  • 2. CORTICOSTEROIDS IN SEPSIS: IS ADRENAL THE ANSWER?
  • 3. THE ART OF NOT DOING LING RECRUITMENTS IN ARDS
  • 4. DISCUSSÃO
  • 5. CAN THE WHO RESOLUTION ON SEPSIS LEAD TO BETTER OUTCOMES IN LMICS?
  • 6. DISCUSSÃO
  • 7. COQUETEL COM VITAMINA NA SEPSE: CLARO! SALVA VIDAS!
  • 8. PODE SER LESIVO E... ONDE ESTÁ A EVIDÊNCIA ?
  • 9. DEBATE
  • 1. IgM ENRICHED IMUNOGLOBULIN: SHOULD WE USE IT OR NOT? NO, THERE IS NOT ENOUGH EVIDENCE
  • 2. PRO-CON - IgM ENRICHED IMUNOGLOBULIN: SHOULD WE USE IT OR NOT?
  • 3. DEBATE
  • 4. SEPSIS IN THE PREGNANT PATIENTS: PARTICULARITIES IN DIAGNOSIS AND TREATMENT
  • 5. SERIA MAIS FÁCIL SE OS PACIENTES FOSSEM TODOS IGUAIS... PORQUE O PACIENTE TRANSPLANTADO É DIFERENTE?
  • 6. TERAPÊUTICA DE OTIMIZAÇÃO PERIOPERATÓRIA: SERIA MAIS FACIL SE OS PACIENTES FOSSEM TODOS IGUAIS
  • 7. DEBATE
  • 8. DEBATE
  • 9. OPPORTUNITIES FOR REPURPOSING OF PARP INHIBITORS FOR THE THERAPY OF CRITICAL ILLNESS
  • 10. PK-PD A BEIRA DO LEITO
  • 11. DIFFERENCES BETWEEN VAP TREATMENT GUIDELINES IN AMERICA AND EUROPE
  • 12. ANTIBIOTIC DOSING IN RENAL REPLACEMENT THERAPY
  • 1. PROTOCOLO SEPSE: HÁ DIFERENÇAS ENTRE HOSPITAIS GERAIS E SERVIÇOS ESPECIALIZADOS ? A DIFICULDADE É MAIOR NO SERVIÇO ESPECIALIZADO ?
  • 2. PROTOCOLO DE SEPSE: HÁ DIFERENÇA ENTRE HOSPITAIS GERAIS E ESPECIALIZADOS? DESAFIOS DA TRIAGEM
  • 3. DIFERENÇAS NO FLUXO DE ATENDIMENTO
  • 4. PECULIARIDADES EM CUIDADOS PALIATIVOS?
  • 5. DISCUSSÃO
  • 6. IMMUNEMETABOLISM IN SEPSIS
  • 7. ROLE OF TELOMERE IN INFECTION AND SEPSIS
  • 8. GASEOUS TRANSMITTERS: WHAT ARE THEY?
  • 9. INTERAÇÃO CÉREBRO - PERIFERIA
  • 10. “ÔMICAS” COMO INSTRUMENTO DE INVESTIGAÇÃO CLÍNICA
  • 11. MAPEAMENTO GENÉTICO HUMANO E MEDICINA DE PRECISÃO
  • 12. DISCUSSÃO
  • 13. LIMITAÇÕES FÍSICAS: O IMPACTO DA TERAPIA
  • 14. LIMITAÇÕES PSICOLÓGICAS: COMO DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE E INTERVIR
  • 15. RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL: UM PASSO FUNDAMENTAL
  • 16. DISCUSSÃO
  • 1. SEPSIS: AN INTEGRATIVE VIEW OF HEMODYNAMIC MONITORING
  • 2. NOVAS DROGAS E ERC, ESTAMOS NOS APROXIMANDO DO ALVO?
  • 3. VALE A PENA ATACAR NA PRIMEIRA HORA?
  • 4. DEBATE
  • 5. QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE EM SOBREVIVENTES À SEPSE
  • 6. INCREASE OF PERFUSION INDEX DURING VASCULAR OCCLUSION TEST IN SEPTIC SHOCK IS PARADOXICALLY ASSOCIATED WITH HIGHER MORTALITY, WITH ADRENERGIC STIMULUS AND IMPROVE THE PREDICTIVE VALUE OF ARTERIAL LACTATE
  • 7. GRAVIDADE DO DÉFICIT NEUROLÓGICO E INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES IDOSOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL AGUDO
  • 8. LACTATE AND BASE EXCESS DO NOT IMPROVE PREDICTIVE ABILITY OF QSOFA: A COHORT STUDY
  • 9. SEPSIS PRESENCE AT ICU ADMISSION AS A RISK FACTOR FOR CHRONIC CRITICAL ILLNESS: A PROPENSITY SCORE BASED PAIR-MATCHED ANALYSIS
  • 10. RENAL REPLACEMENT THERAPY: THE WHO, THE WHEN AND WHY?
  • 11. PRACTICAL USE OF VASOPRESSORS IN SEPTIC SHOCK
  • 12. CAN WE PREVENT BRAINS FROM FAILING?
  • 13. DEBATE
  • 1. HOW TO IMPROVE EARLY DETECTION?
  • 2. RENASE STUDY: EMERGENCY DEPARTMENT CARE IS WHERE IT STARTS
  • 3. POST-DISCHARGE: A NEW BEGINNING FOR OUR PATIENTS
  • 4. DEBATE
  • 5. THE WEEK BEFORE SEPSIS: OPPORTUNITIES FOR PREVENTION & EARLIER IDENTIFICATION
  • 6. SUPORTE CARDIOVASCULAR
  • 7. BEST OF THE YEAR – RESPIRATORY FAILURE AND MECHANICAL VENTILATION
  • 8. ARTIGOS MAIS IMPORTANTES – DANDO SUPORTE AOS SOBREVIVENTES / 2018
  • 9. DISCUSSÃO
  • 1. QUEM É O PACIENTE EM RISCO?
  • 2. WHO BENEFITS FROM PROPHYLAXIS?
  • 3. SEPSE NO IMUNOSSUPRIMIDO: O DESAFIO DA TERAPIA EMPÍRICA
  • 4. É SEGURO DESCALONAR TERAPIA EM IMUNOSSUPRIMIDOS?
  • 5. DISCUSSÃO
  • 6. RESSUSCITAÇÃO HEMODINÂMICA INICIAL: EU ADMINISTRO 30 ML/KG DE CRISTALÓIDE
  • 7. VASOPRESSOR PRECOCE NO CHOQUE SÉPTICO
  • 8. DISCUSSÃO
  • 9. PRECISAMOS MONITORIZAR O DÉBITO CARDÍACO
  • 10. TEMOS QUE MEDIR O DÉBITO CARDÍACO NA SEPSE? NÃO, NÃO TRAZ BENEFÍCIO A NINGUÉM
  • 11. DISCUSSÃO
Voltar ao topo